Criptopórtico

De GLORIA
Ir para: navegação, pesquisa

Criptopórtico (cryptoporticus) – Corredor ou galerias abobadadas subterrâneas ou sob outro pórtico, com aberturas para iluminação. Era geralmente um corredor com mais de uma ala, na forma de um retângulo contínuo. Servia especialmente como refúgio do calor de verão e várias vezes adjunto a fóruns. Tornaram-se populares apenas por volta da metade do século I a.C. e não foram além do século II d.C. Pelletier afirma que sua "destinação (local de passagem? Entreposto?) é imprecisa. É freqüente, porém, que a função do criptopórtico seja principalmente arquitetônica, servindo como estrutura de suporte para o fórum (ou outra estrutura) acima deles". A claridade é assegurada por respiradouros e entra-se neles por meio de escadas. Crypta, em latim, tem um sentido semelhante porém mais amplo. Cavalieri (2002, p. 148 apud SANTOS, 2007, p. 299), quando está descrevendo o fórum de Feurs, diz que a literatura científica produziu uma enorme quantidade de hipóteses sobre a funcionalidade dessas estruturas, mas frequentemente colocou em segundo plano aquela que considera a mais plausível. "Falou-se, de fato, de local de mercado, espaço para estocagem de mercadorias, finalmente passagem protegida (uma outra, já que havia os pórticos forenses?): tudo isso está bem, mas a primeira função desses espaços permanece aquela estrutural, de sustentação da praça acima; se analisamos os dados, de fato, notamos que recorrem a tais aparelhos sempre onde o terreno edilício apresenta uma diferença de altitude tal que necessita um nivelamento (pensa-se particularmente no caso de Bavay); em Feurs tal desnível é de 2,50 m e talvez não baste sozinho para explicar a construção de uma tal estrutura subterrânea, mas permite fazer uma hipótese com relação ao ingresso pelo lado oeste do fórum, entrada que, colocada no nível de um cardo urbano, podemos, mediante escadas colocadas no interior do criptopórtico, dar acesso à praça".[1]

Referências

  1. SANTOS, Irmina Doneux. A Basílica como elemento de urbanização na Gallia Comata no período de dominação romana. 2006. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, University of São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/71/71131/tde-19042007-105939/>